Pular para o conteúdo principal

Ode ao Samir, por Chaouki Haddad (vovô)

Link da notinha social (Cegonha) que meu pai Chaouki Haddad escreveu numa coluna de Campo Grande e, abaixo, o poema tb escrito por ele para o amado netinho Samir:


29/01/12... 7h15

Como os primeiros raios de sol da manhã, despontando na alvorada;
Como a flor-botão a desabrochar colorida e perfumada no jardim da vida;

Como o palpitar de dois corações, de amantes a se tocar;
Como o cintilar dos olhares na empatia do magnetismo a se atraírem;

Como o sopro da esperança a se materializar;

Como o suave lufar da doce brisa a refrescar a alma;

Como a cálida alegria, lenitivo de toda dor que por acaso exista;

Chegou, nasceu, Samir! Bem-vindo!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Umbigo

Caro amigo, existe um mundo além do seu umbigo!

Maritta Cury

Tocar

o vento sopra
a cabeça anota
ninguém se toca