Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2010

Mulher Maravilha

Suas palavras, breves O poder maior do universo Força suficiente para aquecer um coração Impulso exato para içar um corpo inerte Carinho único que transborda o mundo Afeto com mérito do único respiro do dia Com direito a sorriso e descontração Alma de profunda admiração Só quero te dar um abraço Mãe, minha vida, mulher maravilha Um ser mais forte e presente não há Torço que um dia eu te traga alegria Minha luz de verdade Capaz de animar, aninhar Hoje ainda me carrega nos braços E sei que para sempre me acolherá Amanhã, todas as minhas forças, Para você eu vou dar

Maritta Cury

Melina

Uma mulher mais compreensiva Uma conselheira mais menina Aprendizado que modifica Anos que amaciam Alma se torna mais calma Função de cura todo dia Terapia, academia Sol de noite e dia Sintonia de sensações, idéias Disritmia de impressões, ações Diferentes e parecidas Assim por dentro como por fora Semelhança escondida Quem vê de longe não avalia Do meu coração para o seu Te mando a luz na medida Na quantidade apropriada Que ilumine o caminho que é seu E chegue tão logo quanto necessário

Maritta Cury

Mirella

Uma palavra dura te vira menina Coberta de fitas, de flores Respira novos ares Redescoberta, desprotegida Rodeada de amores Silencia e grita a alma Entende igual a criança que sente Brinca que nem a adulta que abusa Neste dia te mando para alma sorrisos Com dentes à mostra Sadios e iluminados Para que a vida pulse Pule e rebole e tenha cautela Que saia do ventre Requebre e receba Que nada te passe desapercebido Não se prive do que lhe é permitido Que a vida te dance E você dance a vida

Maritta Cury

Avoada Revoada

Era uma vez uma passarinha que achava que sabia voar sozinha. Mas ela não percebia o quanto era desengonçada e cheia de teimosia. Até que um dia, um anjo a encontrou. O que nem ele sabia, era que aquela passarinha precisava da sua alegria. O anjo, enganado, já que achou que era ele quem precisava ser ajudado, se aproximou da pobrezinha, pensando se tratar de uma insolente ave de rapina. Quando se deu conta de que tinha encontrado uma pequena passarinha, desajeitada e arisca, soltou suas asas, alvas e vivas, e ofereceu abrigo e destino. Como anjo, trouxe equilíbrio à passarinha, que foi deixando de entortar as perninhas. Animada, a passarinha começou a voar bonito, planava com segurança, pronta pra alçar o infinito. E ela só percebeu como o seu vôo enobreceu, quando já estava nos ares, voando sobre mares. O anjo, gigante e sensível, nunca contou à passarinha o quanto ela andava fora da linha. Com bondade, cuidado e um pouco de diversão, ele pegou as lágrimas da passarinha, com muita di…

Encontro

Que encontro e que sorte
O avesso me inverte Diferença vital De ti, todos os dias, Ganho um presente Sem ti, na minha vida, Me escapa o essencial Muito mais que uma atriz Me descobre mulher, feliz Te encontro completo, me divirto Me transporto pra perto, pra dentro E hoje eu peço: de mim e de ti Que surja infinito

Maritta Cury

Dia-a-dia

Em frente à praça, o passa-passa Atravessa o homem, passa a mulher, sorriso sem graça O executivo e sua pasta, a hora se desgasta Sem licença, um barulho que estilhaça A bala transpassa. Realça a tarde ensolarada Vítima ao chão, não larga a pasta da mão A cachaça guia o bêbado que tropeça Corre corre e passa com pressa O rapaz grita à sua namorada: - “Carol, vamos nessa!”

Maritta Cury

Inundando expectativas

Tão diferente. Impaciente
E eu só quero alguém que me entenda
Tão dolorido. Um tanto sem jeito
O que mais queria era alguém parecido
Um tanto turrão, diz que o tenho na mão
Eu não acredito, duvido
Me pede carinho e eu juro que dou
O que eu produzo tem virado sabão?
Em seu Universo, me tinha distante
Existi cheia de beleza e de sonhos
Destruo aos poucos
Inundo seu sono com gotinhas de pesadelo


Maritta Cury

Mais uma vez

Olhos molhados Peito apertado, rasgado Por mais um instante o meu chão se moveu Por mais um minuto meu corpo tremeu Me deu um momento e pediu alento Eu quero um espaço e peço mais tempo Meu corpo cansou, o cérebro pifou, minha pele arriou O coração requer atenção, a máquina vacila Não foi preparada para funções tão rápidas Trabalho freelancer, uma semana, um mês, nem mais uma chance Drama? Cama? Não, somente resposta, apenas resquício Me jogo pro alto, te jogo pro chão Cansei de jogar, de correr, de cansar De olhar mareado, molhado, rasgado, sufocado De malhos apertados, duvidosos, dissimulados Procuro explicar, entender, planejar, simular Me vem novidade, às vezes memória Recordação, tentação Sensação, alucinação Me faz inventar, supor, viajar, me devolve pra lógica Me torna criança, ingênua, romântica, caótica Penso em alma, calma, presença, física quântica Em não pensar, em pra que me esforçar E se tudo parar, rodar e eu me enforcar? Me enforco, me enrosco, me solto, te mordo Te mato de fato, te rasgo, te …

Caminhada

Novidade Nova idade Saída Outra vida Perda Esperando encomenda Insegurança Cultivo esperança. Tenho uma crença Salvação Me foi dada inspiração Determinada
Que se abra minha estrada

Maritta Cury

À Minha Mãe

O tempo corre, o tempo passa O tempo não dá nada de graça Aquele tempo que ficou pra trás, É o anúncio de uma vida a mais Talvez de duas ou três – parou por aí? Não, pois já deixou raiz! Três vidas surgidas das tuas brigas Brigas de amor, brigas de dor Brigas e intrigas não são causas perdidas O tempo é o vento Mas sem movimento Não arrasta a massa pra onde bem entender Hesita e traça uma linha que afasta A idéia nefasta A linha do tempo é sempre infinita E a vida vivida é quem a dita As linhas das mãos têm marcas reais Real é a luta, real é labuta Realeza da mãe natureza Realeza de muitos carnavais Esse tempo só traz sentimento Sente, semente, criando gente Plantou e regou três lindas rosas inocentes Incandescentes Raízes fortes tomaram conta desse jardim Rainha, Noé – a sede de cultivar mentes Deixa marca em qualquer curumim
Maritta Cury
Escrito em 2001

Uma música pra hoje....

Clique aqui para ouvir



Beatriz Chico Buarque / Edu Lobo

Olha
Será que ela é moça
Será que ela é triste
Será que é o contrário
Será que é pintura
O rosto da atriz Se ela dança no sétimo céu
Se ela acredita que é outro país
E se ela só decora o seu papel
E se eu pudesse entrar na sua vida Olha
Será que ela é de louça
Será que é de éter
Será que é loucura
Será que é cenário
A casa da atriz
Se ela mora num arranha-céu
E se as paredes são feitas de giz
E se ela chora num quarto de hotel
E se eu pudesse entrar na sua vida Sim, me leva pra sempre, Beatriz
Me ensina a não andar com os pés no chão
Para sempre é sempre por um triz
Aí, diz quantos desastres tem na minha mão
Diz se é perigoso a gente ser feliz Olha
Será que é uma estrela
Será que é mentira
Será que é comédia
Será que é divina
A vida da atriz
Se ela um dia despencar do céu
E se os pagantes exigirem bis
E se o arcanjo passar o chapéu
E se eu pudesse entrar na sua vida

Tragédia Encantada

Ilustração Wagner William
Era uma vez, um príncipe que virou sapo muito rápido... E então, a princesa fez o seguinte: deu um beijo no sapo e... virou perereca! E eles viveram contrariados para sempre. Mas, numa bela noite de verão, um raio errou o alvo e atingiu a cabeça do sapo, quando deveria ter partido seu coração, e ele conseguiu: tomou uma decisão! Reto, ligeiro e esperto afogou a perereca num mar de sal... A perereca perdeu a cor... Coitada da perereca, que também passou a ver tudo em preto e branco. O sapo, assustado, tentou o resgate. Chamou os bombeiros, tentou a marinha. Mas ninguém dava ouvido a um anfíbio. A perereca, sem querer ou perceber, evocou sua fada madrinha que, disfarçada, com uma varinha de condão estilizada, logo tratou de resolver essa questão. Fez uma forte magia para que a bela princesa voltasse a seu estado natural. E então, tudo voltou a ser como era antes. O sapo deu lugar, outra vez, ao príncipe encantado.... Que ainda não desencantou... Que ainda não a …

Ele existe

Agora que sei que existe Cuida de mim, não hesite Te quero do lado, eu tomo cuidado Sou toda cuidados, pecado Eu sei sem querer. Eu quero aprender Se eu me perder, se eu não quiser Me dê uma luz, me deu seu amor Te dou o que sou, te dou o que fui Me dê coração, me dê gratidão Élan represado. Vem lá do passado Eu peço que saia, transborde, transpasse Abro um caminho, disfarço, finjo que passo Me dê escancaro, espero não seja tão caro Eu tenho uma chance. E quero revanche Juro por Ti e por mim, tomo todo cuidado

Maritta Cury

Quatro por Quatro

Momento saudade quartetal....


Quatro na sala, quatro na aula, quatro no pátio Quatro na casa, quatro no quarto Na chuva, na mente, aurora incandescente Quatro com Sol, quatro com Lua, quatro de noite Quatro se esconde, se esconde pra onde? Pra onde não seja tão longe Distante não pode. Sempre por perto Perto de mim, assim posso ouvir Ouvir um conselho, ouvir um anseio Anseio de amor, anseio de dor Dor de amor, flor de amar, rir do amor Amor de amiga, irmã de destino, escolha Escolho estar perto; se longe não posso Mas posso achar graça, gritar, fazer pirraça Quatro por quatro que amo de graça De graça que nada. O custo é bem alto E dura umas vidas. Pago com juros Um dia termino, um dia me livro Mas de propósito cometo um pecado E, para pagá-lo, reencontro essas três Para que de novo virem outras quatro
Maritta Cury

Balada da Cura

Música da alma Dança calma Bailado coroado Jóia cristal Crisântemo Tempo regalo Embalo encantado Escolha embebida De alma, de partida De falha, migalha De ânsia aflita Esperança que baila Espalha a criança Na rua da amargura Apuro, apura e cura
Maritta Cury

Ferida

Mas é sempre assim A mesma mão que acaricia, fere e sai furtiva 
Faz do amor uma história triste O bem que você me fez nunca foi real  Da semente mais rica, nasceram flores do mal...
Frejat / Guto Goffi

ou

Eu sei que o erro aconteceu
Mas não sei o que fez
Tudo mudar de vez....
No pé que plantou Maritta
Nem margarida nasceu....


Djavan

Dois lados

Bem vindo ao novo mundo: num dia, sonho de consumo; no outro, rascunho
Maritta Cury Obra: As duas Fridas...

Ao contrário

O que está acontecendo? O mundo está ao contrário e ninguém reparou O que você está fazendo? Milhões de vasos sem nenhuma flor O que você está fazendo?
Um relicário imenso deste amor
Nando Reis

Por fora

Pintura de Giovanni Bragolin
Um rasgo no coração
Um buraco pequeno, tão pequeno que de fora não se vê Mas existe É feito pra sentir Nascido pra doer, colorir De dentro dá pra ver o que é triste Mas de fora, o sorriso diz Que a menina tem tudo pra ser feliz

Maritta Cury

Pra cima

Saia agora mesmo Mesmo que seja tarde Mesmo que não queira Entenda, é assim mesmo Mais um minuto aqui e não me responsabilizo Ouvi quando você foi embora Eu sei, já era sua hora Olha, não me entenda mal Parece que não me importo com isso Mas se você ficar, talvez não seja ideal Tem alguma coisa aqui que não combina Sim, eu sei que fiquei aqui até agora, mas Que pena, também chegou a minha hora Agora eu quero voar, mas sempre para cima

Maritta Cury

Por dentro

Nostalgia, melancolia, apatia
Tão fora de mim, ex-dentro Perdi meu espaço no mundo Me reviro, mas acho Por onde foi meu coração? Alguém viu aonde se encostaram meus pulmões? Minhas narinas não deixam passar o ar Um mar atravessa minha garganta Tormenta que inflama A cabeça rasga expulsando os cabelos Nas pontas dos dedos alguns restos, lascas
Como faz para se sentir por dentro?

Maritta Cury